Foto-guia para a visita ao Mont St Michel

Abadia do Mont St Michel

Abadia do Mont St Michel

Como chegar ao Mont St Michel?

Saindo de Paris, há várias opções:

Passeio guiado com a companhia ParisCityVision. Os ônibus são confortáveis, a companhia é confiável. Visita guiada à Abadia, claustro, e refeitório dos monges, com bastante tempo livre para passear pela citadela. E incluído o almoço no Le Relais St Michel com vista para o monte! (ótimo hotel se a escolha for pernoitar na região)

Trem – saindo da Gare Montparnasse para Rennes, e logo ao lado da estação de trem, pegar um ônibus para o Mont St Michel, da companhia Keolis Emeraude. Horários e preços aqui.

Navette - do Centro de Visitantes à passarela para o Mont St Michel

Le Passeur – do Centro de Visitantes à passarela para o Mont St Michel

Os ônibus vão até o Centro de Visitantes do Mont St Michel, e daqui é preciso pegar o Le Passeur, um ônibus/navette/shuttle que leva os turistas até quase a entrada da Citadela. Ou fazer o percurso a pé até  lá.

Navette-Mont St-Michel

Navette-Mont St-Michel

Carro – alugar um, pode ser uma excelente opção para quem quer liberdade de horários e combinar a visita ao monte, com outros roteiros, como por exemplo o Vale do Loire. Aqui você encontra os posts que escrevi sobre a viagem ao Vale. As estradas na França são excelentes e bem sinalizadas.

De Paris ao Mont St Michel

 -A13 motorway para Rouen e Caen e A84 para Le Mont Saint-Michel

A11 motorway Chartres-Le Mans-Laval saída para Fougères e pegar a direção para Le Mont Saint-Michel

Mont St Michel

Mont St Michel

*O Mont St Michel é uma pequena ilha rochosa de 1Km de circunferência e 80 metros de altura. Fica numa baía no noroeste da França, na Normandia. É ligada ao continente, mas em poucas horas, as marés mais fortes de toda a Europa podem subir mais de 14 metros, transformando-o numa ilha, o que acontece duas vezes por mês.

Ao longo dos séculos, as intervenções humanas a fim de “melhorar” e facilitar o acesso dos visitantes, resultaram num efeito devastador. A construção de um dique-estrada do continente ao monte, a construção de uma barragem, e de um estacionamento (!!!) bem ao pé das muralhas, acabaram por modificar a paisagem e sua principal característica.

Mont St Michel - vista das muralhas

Mont St Michel – vista das muralhas

O mar foi recuando e o assoreamento aumentando ao redor do monte. Segundo alguns estudiosos, se nada fosse feito, o Mont St Michel se ligaria à terra permanentemente, por volta de 2040. O homem estragou e resolveu consertar: por isso, foi lançado em 2005, um mega projeto para  recuperar a paisagem natural da baía.

Uma nova barragem usa a força das águas do rio e das marés desde 2009 e os resultados já são perceptíveis. E toda a área do estacionamento será devolvida à natureza até 2015, assim como a estrada pela qual passei para chegar ao monte, que vem bloqueando as correntes das marés por mais de 130 anos.

Mont St Michel - ligação ao continente

Mont St Michel – ligação ao continente

Um nova passarela sobre as águas está sendo construída e desta forma, todos os visitantes farão um caminho, digamos, parecido com aquele feito pelos peregrinos, que desde a Idade Média atravessam a baía para chegar ao monte.

O que ver no Mont St Michel?

mapa Mont St Michel

mapa Mont St Michel- fonte: http://www.ot-montsaintmichel.com

1) La Grande Rue (cidade medieval- a rua principal)

Logo na entrada,  a Porte Bavole, nos leva à rua chamada Cour de l’Avancée, ao Corps de garde des Bourgeois, onde é agora o Office de Tourisme.Logo em seguida, a Porte du Boulevard e a Porte du Roy. Daqui em diante é decidir o que visitar de acordo com o tempo disponível: lista dos monumentos históricos do Mont St Michel

Entrando na cidade medieval, seguindo a rua à sua frente, o comércio local segue a tradição medieval de servir aos visitantes e peregrinos. Lojas de lembranças de todos os tipos e preços, restaurantes, albergues e hotéis e suas respectivas placas, disputam a nossa atenção.

La Grande Rue - Mont St Michel

La Grande Rue – Mont St Michel

Nos restaurantes, alguns pratos típicos do lugar ficaram famosos: omelette traditionnelle,  poissons de la baie, fruits de mer et gigot d’agneau (omelete tradicional, peixes das baía de St Michel, frutos do mar e pernil de cordeiro)

2) Les Musées (museus)

Mont St Michel - Le Musée Historique

Mont St Michel – Le Musée Historique

Le musée historique –  1300 anos de história do monte.

Le musée de la mer et de l’écologie – mostra o fenômenos das grandes marés e o Grande Projeto para recuperar a paisagem natural

La Maison Du Guesclin – conta a história desse caveleiro medieval

L’Archéoscope – um computador comanda efeitos cenográficos e coloca o visitante “dentro” da história

3) Les Remparts (as Muralhas)

Mont St Michel - Muralhas

Mont St Michel – Muralhas

Passear pelas muralhas é sem dúvida a melhor maneira de entender a posição geográfica privilegiada desta fortaleza. Ao longo do caminho e da subida até a Abadia, há vários pontos de observação, cada um deles merece uma parada e claro, várias fotos.

MonStMichel ramparts copy

4) Le Grand Degré (O Grande Degrau)

Le Grand Degré - Mont St Michel

Le Grand Degré – Mont St Michel

É a escadaria que nos leva até a entrada da Abadia. E mesmo que você seja cético começa a crer que toda esta construção é um milagre.

5) L’ Abbaye du Mont St Michel (A Abadia)

Abadia do Mont St Michel

Abadia do Mont St Michel

Depois de comprar os ingressos na bilheteria, mais um lance de escadas, chega-se enfim à Abadia. Lá no topo do monte, há séculos testemunhando a fé dos peregrinos, o deslumbre dos turistas e o balé das marés. No interior da abadia, é o momento de ver a igreja construída no século XI (e talvez se emocionar como eu).

Abadia do Mont St Michel

Abadia do Mont St Michel

Aqui ainda podemos ver o claustro, o refeitório dos monges e a sala onde estão as maquetes mostrando a evolução das construções.

Abadia do Mont St Michel

Abadia do Mont St Michel – maquetes

Para assistir a subida das marés da baía do Mont St Michel

É preciso planejamento. As marés mais altas acontecem entre 36 e 48 horas depois da lua cheia e nova. Então é preciso consultar a tábua das marés para saber o dia e a hora do fenômeno. O dique-estrada que liga o monte ao continente submerge quando a maré atinge 12,90 m.

Passeio de um dia ou pernoite?

Para mim, a visita ao Mont St Michel foi um dos passeios mais maravilhosos que já fiz. Mas devido ao tempo que tivemos (e ao clima maluco que fazia no dia), não fomos a todos os museus e nem deu tempo de almoçar. Ficamos com medo de perder o ônibus de volta a Rennes e sermos obrigadas a ficar esperando o próximo até às 6 da tarde. Isso que me fez querer voltar e dessa vez pernoitar na região para ver a citadela iluminada e quem sabe assistir à maré alta. Só não consegui me decidir o que seria melhor – dormir na cidade (que fica acesa até a meia noite) ou no continente, tendo a vista para o monte iluminado.

Onde se hospedar no Mont St Michel?

Na fase de planejamento da viagem eu encontrei alguns hotéis bem interessantes…

Aqui alguns hotéis dentro da citadela:

Le Mouton Blanc, fica a alguns metros da entrada e  um dos primeiros que pensei em ficar, se a chuva não parasse. É daqueles que a ambientarão e típica do lugar.

La Vielle Auberge, esse tem alguns quartos com vista para a baía de St Michel, bar e restaurante para passar o tempo à noite. Perfeito.

Com vista para o monte:

Le Relais St Michel  Todos os quartos tem terraço e alguns com vista para o monte. Imagine tomar um vinho vendo essa paisagem? Sonho! Já está na wish list.

Le Relais St Michel.

Le Relais St Michel fonte: Le Relais St Michel

Na estrada para o monte (continente):

Hotel Gabriel – esse é bem simpático, com preços excelentes.

Para ver mais hotéis na região, pesquise aqui, se reservar e gostar de outro depois, não tem problema.

Veja os outros posts sobre o Mont St Michel:

 O caminho para o Mont St Michel

Mont St Michel – a peregrinação

Mont St Michel – a Abadia

Siga o Mala de Rodinha e Nécessaire no Twitter @maladerodinha

Curta a nossa Fanpage no Facebook: www.facebook.com/MaladeRodinhaeNecessaire

E para ver nossas fotos no Instagram: instagram.com/celinamartins

E veja no página no Google+ 

Tem alguma dica para compartilhar com a gente? Alguma dúvida? Aos comentários, por favor. :)

 

Sou professora por formação, artista plástica, designer e blogueira, mas gosto mesmo é de ser nômade. Moro seis meses na Europa quando aproveito para viajar, e seis meses no Brasil, praticamente na ponte entre o Rio de Janeiro e Niterói. Eu moro onde estão meus sapatos.
Estou no Google + – +
Celina Martins
-

written by

Sou professora por formação, artista plástica, designer e blogueira, mas gosto mesmo é de ser nômade. Moro seis meses na Europa quando aproveito para viajar, e seis meses no Brasil, praticamente na ponte entre o Rio de Janeiro e Niterói. Eu moro onde estão meus sapatos. Estou no Google + - + Celina Martins -

7 Responses to "Foto-guia para a visita ao Mont St Michel"

  1. Andrea Raminelli says:

    Que post incrível, Celina! Vc já me ajudou na minha viagem a Escócia, agora salvei este post nos favoritos, fiquei com mais vontade ainda de conhecer este lugar lindo.

    Responder
  2. Priscila Reis says:

    Que post maravilhoso!!! Já morei em Paris e , acredite, não conheci o Mont Saint Michel. Ficou na vontade e pretendo visitá-lo em breve. Seu post já está favoritado.
    E parabéns pela organização perfeita.
    um beijo,
    Priscila Reis (VOALI)

    Responder
  3. Eulalia says:

    Uau!!!!
    Adorei a parte da reconstituição, devolvendo à natureza o que lhe pertencia.
    Uma sugestão: fique dois dias – um para dormir na hospedaria do Monte e outro para dormir fora. Assim, você resolve seu dilema… aliás, por que tem de ser sempre “isso ou aquilo”, se dá para ser os dois? :)
    beijos, adorei as dicas. Quem sabe, um dia eu volte!

    Responder

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>