Sainte Chapelle, a maravilhosa renda de vitrais

Paris foi e continua sendo minha primeira e mais forte paixão. E não importa quantas vezes eu vá, sempre haverá algo novo para ver ou fazer.

Amanhecer em Paris

Amanhecer em Paris

Desta vez, quase que por acaso, a viagem de trem pela França acabou se tornando uma alegre peregrinação, tal a quantidade de igrejas que visitamos. Nesse dia em especial, pulamos da cama cedo. O dia ainda amanhecia quando atravessamos o Sena pela  Pont au Change rumo à Sainte-Chapelle, que fica no meio da Île de la Cité.

Île de la Cité, Paris

E como em Paris, o caminho é sempre tão lindo quanto o destino, a caminhada foi uma delícia com direito  a um arco-íris.

Conciergerie - Paris

Conciergerie – Paris

Eu já conhecia, mas… a Sainte-Chapelle é tão maravilhosa que voltar é sempre um prazer. E nosso objetivo era garantir ingressos para um concerto à noite: As Quatro Estações de Vivaldi!!!

Sainte Chapelle - Paris

Sainte Chapelle – Paris

A capela fica escondidinha pois faz parte do complexo do Palais de Justice. E normalmente uma enorme fila se forma do lado de fora. E por que a Sainte-Chapelle é tão especial? 

Sainte-Chapelle - exterior

Sainte-Chapelle – exterior

Simples: ela é impressionantemente linda! Aliás, são duas capelas, uma sobre a outra. E a Chapelle Haute ou seja, a que fica no segundo andar, é praticamente uma renda de vitrais, quase sem paredes! Um exemplo fabuloso do estilo Gothique Rayonnant.

Chapelle Basse - Sainte-Chapelle

Chapelle Basse – Sainte-Chapelle

E como não podia deixar de ser, tem história: Em 1239, o Rei Louis IX tinha comprado do imperador bizantino Balduíno II, duas relíquias da Paixão de Cristo – a coroa de espinhos e um pedaço da cruz.  Gente, estamos falando do século XIII! O mercado de relíquias bombava na época! Uma boa relíquia trazia com ela “status”, peregrinos para as catedrais, fiéis… E para guardar relíquias tão especiais, o Rei  decidiu construir um relicário de proporções arquiteturais – A Sainte-Chapelle.

Sainte-Chapelle - Vitrais

Sainte-Chapelle – Vitrais

O maravilhoso conjunto de vitrais é de cair o queixo! Por isso se só puder ir uma vez, vá de dia. Uma das características do gótico é exatamente a luz filtrada pelos vitrais.

Vitrais - Sainte-Chapelle

Vitrais – Sainte-Chapelle

Na época, o que é agora o Palácio da Justiça era o Palácio Real e a capela foi construída nesse terreno, ligada aos aposentos do rei por uma galeria. O andar de baixo, a Chapelle Basse era a paróquia do pessoal do palácio. E a parte de cima, a Chapelle Haute todinha só do rei.Sainte-Chapelle

À noite, o clima é outro. E a impressionante acústica do lugar faz de Sainte-Chapelle um local perfeito para concertos, que são bem disputados.

Sainte Chapelle - concerto

Sainte Chapelle – concerto

Então, voltamos à noite para o Conserto na Saint-Chapelle. E foi ma-ra-vi-lho-so! Até passamos pela tal galeria que liga a capela ao palácio. Mesmo lotado, a atmosfera era mágica…

Concerto na Saint-Chapelle

Taí uma experiência que eu quero repetir. Mas anote a dica: se for no inverno, vá agasalhado. Agasalhadíssimo! Faz um frio danado lá dentro e as mãos congelam. Fora isso, é chegar cedo para comprar os ingressos, porque se esgotam rapidamente.

Encontre a programação de concertos na Sainte-Chapelle:  Aqui

Para ler os post sobre a viagem de trem pela França, aqui.

Siga o Mala de Rodinha e Nécessaire no Twitter @maladerodinha

Curta a nossa Fanpage no Facebook: www.facebook.com/MaladeRodinhaeNecessaire

Para ver nossas fotos no Instagram: instagram.com/celinamartins

E veja nossa página no Google+

 

Sou professora por formação, artista plástica, designer e blogueira, mas gosto mesmo é de ser nômade. Moro seis meses na Europa quando aproveito para viajar, e seis meses no Brasil, praticamente na ponte entre o Rio de Janeiro e Niterói. Eu moro onde estão meus sapatos.
Estou no Google + – +
Celina Martins
-
Gostou? Compartilhe!Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestShare on RedditTweet about this on TwitterEmail this to someone

written by

Sou professora por formação, artista plástica, designer e blogueira, mas gosto mesmo é de ser nômade. Moro seis meses na Europa quando aproveito para viajar, e seis meses no Brasil, praticamente na ponte entre o Rio de Janeiro e Niterói. Eu moro onde estão meus sapatos. Estou no Google + - + Celina Martins -

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>